Não deixe que a pobreza se transforme em paisagem

Todos os dias Paulo faz o mesmo trajeto até seu escritório, estaciona o carro a duas quadras e vai caminhando até o prédio onde passa o resto do dia. Em sua curta caminhada até o escritório, se depara com meninos de rua, encolhidos no chão,  vezes molhados de chuva, outras tremendo de frio ou gemendo de fome, mas Paulo nunca dá atenção nem os nota, simplesmente desvia, e ainda almaldiçoa aquelas crianças por atrapalharem a passagem.

“Com tanto lugar pra dormir esses desgraçados vem dormir logo aqui”

Há três anos Paulo perdeu um filho de 15 anos, viciado em drogas, saiu de casa para nunca mais voltar, chamaram a polícia, distribuíram cartazes, fizeram campanhas e nada. Desde então Paulo carrega a culpa da perda, da ausência, talvez nunca mais encontre o filho, talvez ele esteja morto. Talvez.

Talvez, se Paulo prestasse atenção em uma dessas crianças que o atrapalham no percurso para o trabalho, ele descobriria que seu filho está mais perto do que imagina.

 

pobreza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s