.chuva

 bogObservando a chuva escorrer pelos vidros da janela da sala, aquele gole de café lhe pareceu absurdamente amargo e a chuva, intensamente forte, infelizmente não o bastante pra carregar a dor  que a sufocava, nem tão pouco deixar cair as lágrimas guardadas em seus olhos. Já se passara um mês, para ela era como se tivessem passado apenas alguns minutos. De concreto apenas a certeza de que não amaria mais ninguém, não poderia. Na sala, agora tão vazia, ela ainda podia escutar as gargalhadas, sentir o perfume, ouvir os passos. Fechou os olhos, encolhida no sofá, apenas lutou para terminar seu café. Amargo.

Anúncios

Um comentário sobre “.chuva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s