18 de maio!

Centro Internacional Para Pesquisas Sobre Mulheres estima agora que existam 51 milhões de noivas infantis vivendo no planeta Terra e quase todas em países muçulmanos.
Quase 30% destas pequenas noivas apanham regularmente e são molestadas por seus maridos no Egito; mais de 26% sofrem abuso similar na Jordânia.

Todo ano, três milhões de garotas muçulmanas são submetidas a mutilações genitais, de acordo com a UNICEF. A prática ainda não foi proibida em muitos lugares da América.

Esquecer é permitir, lembrar é combater

O dia 18 de Maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, foi instituído pela Lei 9970/2000 com o objetivo de mobilizar e convocar a sociedade brasileira a se engajar no combate a violência sexual de crianças e adolescentes, bem como na defesa dos seus direitos. Essa data foi escolhida pois há 30 anos, em 18 de maio de 1973, o assassinato de uma criança de 9 anos incompletos, Aracelli Cabrera Crespo, em Vitória-ES, chocou o país. Aracelli foi seqüestrada, drogada, estuprada, teve seu rosto desfigurado com ácido, entre outras barbáries. A história desse crime, contada por José Louzeiro no livroAracelli, Meu Amor (1979) denuncia muitos dos ingredientes da violenta rede de exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes em nossa sociedade: implicação da rede familiar, abuso de poder, tráfico de drogas, corrupção e impunidade.

Aracelli morava com os pais e irmão mais velho e era uma criança que tinha uma vida modesta, mas aparentemente nada incomum para as meninas da sua idade. Na tarde de 18 de maio de 1973 Aracelli não voltou da escola que freqüentava regularmente e seu corpo só foi encontrado seis dias depois em um matagal, irreconhecível para o próprio pai. Desde o seu desaparecimento uma seqüência de informações e fatos coloca-nos diante da complexidade do fenômeno da violência. O envolvimento da mãe com o uso, tráfico e distribuição de drogas foi determinante para o final trágico de Aracelli, que naquele dia saiu mais cedo da escola porque foi entregar drogas, a pedido da mãe. Os “clientes” eram conhecidos, jovens de famílias tradicionais, acostumados a “festinhas de embalo”, regadas a drogas e a prática de abuso sexual de crianças e adolescentes, apostando na impunidade que o dinheiro dos pais podia comprar. Várias estratégias de aliciamento de crianças eram utilizadas por esses jovens e Aracelli sucumbiu a elas. O caso seguiu um rumo estarrecedor, a impunidade dos responsáveis não só ficou evidenciada, como alguns empenhados em desvendar o crime foram mortos ou afastados de seus cargos. Os assassinos, mesmo indiciados, ficaram livres.

Infelizmente casos como o de Aracelli, com roupagens mais ou menos cruéis ainda são freqüentes em nosso país.

Sintam-se convocados a lembrar sempre do 18 de Maio aqueles que não perderam a capacidade de se indignar com todas as diversas formas de violência, aqueles que não estão indiferentes e que estão dispostos a compor a rede “contraponto” daquela da exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes, para por fim a uma das formas mais cruéis de violação de direitos humanos.

Fonte

Anúncios

Mãe.

Mãe, difícil definir essa palavra, mas ela sempre me remete a amor, à segurança, sensibilidade, porém força. Apesar de não ser mãe, acredito que a maternidade seja a experiência mais incrível na vida de uma mulher. Já ouvi mulheres arrependidas de muitas coisas, mas até hoje não conheci  nenhuma mulher arrependida de ser mãe.

Existem vários tipos de mãe – apesar de insistirmos em dizer que mãe é tudo igual, só muda de endereço – há aquelas que escolheram ser mães, há aquelas que foram surpreendidas com uma gravidez indesejada não esperada, mas mães, são heroínas a partir do momento em que corajosamente assumem e decidem ser mães. Ser mãe é uma escolha. Minha mãe poderia me maltratar, me abandonar, mas eu ainda a amaria, porque escolheu me dar à luz.

Mãe, obrigada por suportar, por estar presente sempre que precisei, por ensinar a viver, por se doar, por se sacrificar, por abrir mão do seu corpo para me gerar, por me amar mesmo quando estou com raiva, por acreditar, por me perdoar pelos mesmos erros, por acreditar em mim quando eu mesma deixo de acreditar. Obrigada por ser minha mãe, eterna e única.

FELIZ DIA DAS MÃES.

ausência.

Ando meio sumida do blog, falta de inspiração, não sei, começo a escrever e de repente paro. Ideias não faltam só não tenho conseguido expressá-las muito bem, estranho né. É como encontrar uma pessoa muito querida e não ter o que dizer, a vontade é tanta, porém as palavras são poucas, mas enfim, cá estou, hiper feliz porque em julho o blog faz um ano e todos os dias ele cresce um pouquinho, isso é muito gratificante! Prometo terminar os posts que comecei a escrever e se possível, postar ainda esta semana!

Dia Difícil (?!)

Após uma semana cheia de acontecimentos, finalmente parei para ver com meus próprios olhos a dimensão dos estragos causados pelas chuvas no Rio de Janeiro. Eu que achava minha vida difícil, me descobri mesquinha diante de tanta desesperança e dor. Foi muito triste, porém, é impossível medir ou até mesmo imaginar o tamanho da dor de cada pessoa atingida por esta catástrofe. Lares destruídos, vidas perdidas, filhos sem pais, pais sem filhos. Acordar e estar dentro de um pesadelo (terrível), acordar e não ter mais aquele ente querido ou um teto sobre sua cabeça, isso para aqueles que tiveram a “sorte” de acordar… O desalento, a expressão vaga no rosto de milhares. Para muitos um lixão, para eles um lar.

Comecei a pensar que diversas vezes somos ingratos, estamos tão mergulhados em nossos problemas (todos têm), mas nunca me esqueço da frase que li certa vez:

“Quando eu ouço alguém suspirar, “A vida é dura”, eu sempre sou tentado a perguntar, “Comparado a que?”Como minhas dificuldades tornaram-se pequenas diante de tudo isso! Não quero que seja apenas por um momento, se possível, quero me recordar todos os dias, que existem pessoas no mundo todo, que sofrem mais do que eu, pessoas para quem a vida é REALMENTE cruel, que dariam “tudo” para que meus “problemas” fossem seus.

Só me resta agradecer a Deus por tudo que tenho e porque pensava conhecer o significado da palavra dor, e esta semana descobri que todos os momentos difíceis pelos quais passei não chegam nem perto do real significado do seu real significado.

A vida é uma dádiva!

“Eu que chorava por não ter sapatos, encontrei um homem que não tinha pés” (provérbio persa)

Carpe Diem…



Vinte e 4 horas.

Esta quarta-feira, ou seja, em 24 horas o Congresso vai votar uma lei que propõe eliminar do processo eleitoral candidatos acusados de corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes sérios!
Essa é a chance de dar um passo gigante para acabar com a corrupção no Brasil. Porém, convencer os deputados a aprovarem esta lei não será fácil. Sendo ano de eleição, só vamos conseguir com uma mobilização popular massiva — assine a petição que será entregue ao Congresso, só leva 2 min!

Clique aqui e faça a sua parte. Faça a DIFERENÇA!