Afinal de contas quem é que nunca passou por isso?

Fala sério, não é frustrante quando você vai a um lugar (geralmente lanchonetes de fast foods), pede algo que no cardápio parece extremamente apetitoso, porém ao abrir a caixinha: tcharã! SURPRESA, não era nada daquilo que estava na foto?! Propaganda enganosa. Na realidade, somos vítimas disso o tempo todo, nem é preciso ir a Mc (por exemplo), basta ir ao supermercado, fazer uma compra pela internet. Nunca vou me esquecer da triste experiência que tive com a lasanha de quatro queijos da Sadia. Sempre fui muito desconfiada desses alimentos “práticos” e congelados que pela embalagem, prometem maravilhas (mais ou menos como nos desenhos animados: “basta colocar a pílula no forno e você tem um banquete em 30 segundos”), mas após meses namorando aquela “bela” embalagem, decidi arriscar, eu estava de férias e sem a menor vontade de cozinhar. E lá fui eu, toda animada e com água na boca. A primeira surpresa foi com o tamanho da lasanha! Tudo bem, eu não conseguiria comer tudo mesmo, segui as instruções, coloquei no microondas e esperei. Gente, era mais fácil eu ter colocado borracha com queijo naquele microondas! Não consegui comer nada, a aparência era tão nojenta, o sabor, idem. Parei, olhei para a caixa e depois para a “lasanha”, o que me restava fazer? Respirei fundo, peguei a “lasanha”  e joguei no lixo. “Esse negócio de praticidade não é para mim” .Tomei coragem e decidi cozinhar, pelo menos aqui a propaganda não é enganosa! 😉

Família com “S”

Bem disse aquele comercial da Sadia, não somos parte de uma única família e sim de várias. Somos parte da família de casa, da família do colégio, da faculdade, da família do trabalho, do bairro, da igreja, do clube, da academia, das aulas de música, até da família do ônibus (vejam só)! E também daquela família que só vemos através desta tela, mas que nos parece tão real…

Em todo lugar, há sempre uma família, isso porque, o homem não é uma ilha, cada um traz consigo “um gancho” que encaixa em outro e em outro e outro e quando vemos, voilá, acabamos de criar uma nova família.

Confesso que para mim não há melhor momento para uma família do que sentar-se ao redor da mesa para comer e conversar. Para isso, não há preço, seja degustando “um amendoim” ou uma ceia, são momentos marcantes.

Em casa, nunca cultivamos muito o hábito de comer à mesa, uma pena, porque isso afeta muitas famílias, parece bobo, mas para muitos é o único momento em que todos têm tempo de sentar, ouvir e compartilhar. Pais dão atenção a seus filhos, filhos podem dialogar com os pais. É algo tão fundamental e marcante na formação de uma criança, no fortalecimento dos laços de afeto, além disso,  cria-se o hábito de comer bem (é cientificamente comprovado, comer assistindo Tv engorda).

E lembre-se aquela bela mesa de jantar não é apenas para fazer um charme, é um objeto de uso, além do que, não há nada melhor do que uma sala de jantar aconchegante para comer e conversar em família, seja ela qual for: a família de casa, a família do colégio, da faculdade…