Moda, e agora?

Essa não é a primeira e provavelmente não será a ultima vez que faço uma crítica (“destrutiva”) aos atuais padrões da moda. Para ser sincera, não acompanhei os desfiles das semanas de moda aqui no Brasil, mas ao fim de tudo, foi possível constatar a profunda falta de criatividade da maior parte dos estilistas. Tudo bem que “nada se cria,tudo se copia”, mas e a sutileza? Aquela parte onde você finge que é original?!

Apesar da grande maioria não perceber, moda não envolve apenas roupas, envolve política, economia, religião, e o efeito globalização está cada vez mais presente naquilo que nos é proposto.

A cada desfile vejo menos características propriamente brasileiras e cada

"Os delírios de consumo de Becky Bloom" recomendo.

 vez mais imitações daquilo que é feito lá fora. Cores opacas, cortes retos, roupas pesadas, que, convenhamos, nada tem a ver com o clima e com as curvas da mulher –  público alvo de campanhas- brasileira, apesar disso nós apenas engolimos e gastamos nosso precioso dinheirinho na ilusão de que temos personalidade. Você é o que você veste, e niguém melhor do que VOCÊ para decidir o que é tem ou não tem a ver com sua personalidade. É legal sim estar antenado (ninguém precisa viver dentro de uma bolha de plástico), desde que você não deixe  a moda tornar-se uma ditadura.

 Consideremos o fato de que os estilistas inspiram-se cada vez menos no Brasil ao fazer suas criações, então veremos que tudo não passa de política e dinheiro, uma forma de adquirirmos uma cultura que não nos pertence e enriquecermos uma minoria que não se importa conosco. Pense.

Anúncios